Nutrição e Doenças Oculares

Existe uma fundamentação cientifica crescente para o papel da nutrição na patogênese de doenças dos olhos relacionadas com o envelhecimento ou como coadjuvante no tratamento de doenças degenerativas dos olhos. Que geralmente estão associadas ao envelhecimento dos olhos. Essa associação se dá ao fato de que os fatores nutricionais são passiveis de modificação, agindo sobre hábitos alimentares ou pela suplementação com nutrientes específicos. Os principais fatores nutricionais que são investigados na esperança de prevenir ou retardar as doenças degenerativas dos olhos, são: antioxidantes, luteína e a zeaxantina (carotenoides que se acumulam especificamente no olho) ômega 3 (ácidos graxos poli-insaturados), vitaminas e alguns minerais. Além de doenças oculares comuns como miopia, estigmatizo, olhos secos, tersol, entre outros, que também podem ser beneficiadas com uma alimentação e hábitos de vida saudáveis. Existem ainda doenças de síndrome metabólica relacionadas a má alimentação e hábitos de vida ruins, que levam a doenças oculares graves, como o diabetes mellitus tipo 2. Onde em casos de pacientes não tratados ou descompensados, a doença pode levar a cegueira.

A retina é extremamente susceptível ao estresse oxidativo, o que facilita a formação de radicais livres e consequentemente o aparecimento de doenças, principalmente catarata e o glaucoma.  Por isso o consumo de antioxidantes e algumas vitaminas como a E e C seriam fantásticas como fatores de proteção.  A luteína e zeaxantina conhecidas como pigmento macular, além de terem propriedades antioxidantes atuam como filtro contra os efeitos fototóxicos de luz azul. E por fim o ômega 3 e três derivados de cadeia comprida (ácido eicosapentaenóico (EPA), ácido docosapentaenóico (DPA) e ácido docosa-hexaenóico (DHA), tem funções estruturais e de proteção importantes na retina.

Dessa forma o uso em potencial de dietas ricas em antioxidantes, associadas a vitamina (principalmente, C, E, A e complexo B) e minerais (zinco e cobre) poderia diminuir e/ou combater a formação dos radicais livres, agindo assim sobre a prevenção e combate de das doenças.  Procure consumir dietas ricas em: frutas e verduras vermelho alaranjado (beterraba, mamão, cenoura, abobora, morango, ameixa, uva, framboesa, mirtizilo, amora, açaí), castanhas, grãos e cereais, azeite de olivia e peixes (como atum, sardinha, salmão), cereais integrais, ovos, chá verde, ervas e especiarias entre outros.

Referências

DELCOURT, C., et al.. Nutrition and Age-Related Eye Diseases: The ALIENOR (Antioxydants, LIpides Essentiels, Nutrition et Maladies OculaiRes). J Nutr Health Aging.  V. 14, n. 10, p.  854–861, 2010.

CHYLACK, L. T., JR BROWN,  N. P., BRON, A., et al..The Roche European American Cataract Trial (REACT): a randomized clinical trial to investigate the efficacy of an oral antioxidant micronutrient mixture to slow progression of age-related cataract. Ophthalmic Epidemiol.  V. 9, p. 49–80, 2002

KANG, J. H., PASQUALE, L. R., WILLETT, W., et al.. Antioxidant intake and primary open-angle glaucoma: a prospective study. Am J Epidemiol., v. 158, p. 337–346, 2008.

COLEMAN, A. L., STONE, K. L., KODJEBACHEVA, G., et al.. Glaucoma risk and the consumption of fruits and vegetables among older women in the study of osteoporotic fractures. Am J Ophthalmol., v. 145, p. 1081–1089, 2008. 

WHITEHEAD, A. J., MARES, J. A., DANIS, R. P.. Macular pigment: a review of current knowledge. Arch Ophthalmol, v, 124, p. 1038–1045, 2006.

SANGIOVANNI, J. P., CHEW, E.Y.. The role of omega-3 long-chain polyunsaturated fatty acids in health and disease of the retina. Prog Retin Eye Res, v. 24, p. 87–138, 2005.

CHONG, E. W., KREIS, A. J., WONG, T. Y., SIMPSON, J. A., GUYMER, R. H.. Dietary omega-3 fatty acid and fish intake in the primary prevention of age-related macular degeneration: a systematic review and meta-analysis. Arch Ophthalmol, v. 126, p. 826–833, 2008.

Autora

Drª. Debora Sena - Nutricionista
Hospital Premium
Contato: (62) 39226220/ 39235000
dsfnutri@gmail.com


Artigos indicados

X