plastica-ocular

PLÁSTICA OCULAR

Pálpebras saudáveis são cruciais para que a pessoa tenha uma visão adequada. Também são fundamentais para a beleza facial, uma vez que propiciam uma face mais  jovem e descansada. Portanto a plástica ocular não garante apenas embelezamento estético, sendo
muitas vezes  importante para uma boa visão.


BOTOX

Você sabia que o primeiro uso médico do botox foi na OFTALMOLOGIA?

O botox teve seus primeiros estudos e uso na medicina no tratamento do estrabismo, só após passou a ser usado para estética,  sendo hoje um dos recursos  mais utilizados no mundo. É consagrado para eliminação das rugas e obtém com sucesso  a eliminação ou atenuação das linhas de expressão do rosto , como rugas e pés de galinha. Também  é usado para erguer a ponta do nariz e modelar as sobrancelhas, tornando o olhar mais atraente e jovem.


PREENCHIMENTO DE OLHEIRAS

O preenchimento de olheiras vem sendo realizado com ácido hialurônico ou gordura do próprio paciente  com bastante sucesso. Esses produtos, aliados a  técnicas inovadoras de aplicação, possibilitam a melhoria estética    através de procedimento realizado no próprio consultório médico e sem o afastamento do paciente das suas atividades cotidianas.


BLEFAROPLASTIA

Para que a face de uma pessoa tenha uma boa aparência, um dos principais fatores é a simetria das fendas palpebrais. Entretanto, tal simetria pode ser prejudicada por diversas patologias, dentre as quais destacamos a ptose palpebral e a dermatocálase (excesso de pele na pálpebra superior, inferior, ou em ambas). Tais patologias, além de prejudicarem a estética facial, podem causar incômodos ou até mesmo diminuir o campo de visão, atrapalhando o paciente em atividades diárias.

Socialmente, indivíduos com blefaroptose e dermatocálase podem ser vistos negativamente, por apresentar sinais de fadiga e envelhecimento.

Os objetivos do procedimento cirúrgico de blefaroplastia são a correção do funcionamento das pálpebras e a melhoria da estética facial na região dos olhos,  através da eliminação dos excessos de pele e gordura, correção anatômica dos músculos e alisamento da estrutura palpebral.

Resultados pós-operatórios

A alta do hospitalar se dá no mesmo dia. A retirada  dos pontos, quando necessária,  ocorre entre 7 a 10 dias após a cirurgia.

A recuperação e os primeiros resultados podem ser percebidos logo nas primeiras semanas. Seguir corretamente as orientações e as prescrições médicas, entre elas o uso de compressas de gelo são importantes fatores para o sucesso da cirurgia.

plastica-ocular

PATOLOGIAS PALPEBRAIS

Como a função da pálpebra está diretamente ligada à lubrificação e a proteção do olho, qualquer patologia palpebral influencia negativamente a visão.


BLEFARITE

Blefarite é uma inflamação que afeta as pálpebras, principalmente na região dos cílios. Pode afetar pessoas de qualquer idade apresentando uma maior incidência em mulheres que usam maquiagem regularmente. A blefarite pode causar lacrimejamento, vermelhidão nos olhos, pálpebras vermelhas e inchadas, piscadas mais frequentes, sensibilidade à luz, cílios grudados uns aos outros ao acordar, descamação da pele, aderência, triquíase e perda dos cílios.


TERÇOL OU HORDÉOLO

Hordéolo é uma infecção bacteriana que ocorre nos cílios ou glândulas palpebrais, causando um nódulo avermelhado e doloroso na borda palpebral  e geralmente surge de forma aguda.

É comum aparecer mais de um hordéolo nas pálpebras do paciente, não necessariamente ao mesmo tempo.


CALÁZIO

O calázio é uma tumefação das glândulas de Meibomius responsáveis pela produção do conteúdo gorduroso da pálpebra. Após a fase aguda pode ocorrer a persistência da tumefação na área da glândula afetada e o paciente referir que sente um " caroço" nos olhos mesmo sem ocorrer sinais de inflamação ou de dor. Nesses casos se o paciente sentir incômodo é indicada a cirurgia.


PTOSE PALPEBRAL

Ptose palpebral ocorre quando a margem da pálpebra superior de um ou dos dois olhos está abaixo do normal. A ptose pode ser congênita, quando o bebê já nasce com um dos olhos mais baixo que o outro, ou também pode ser adquirida,  quando os músculos que levantam a pálpebra vão  enfraquecendo e provocando o seu caimento, tornando-a cada vez mais baixa.

O tratamento vai depender da avaliação do oftalmologista ao observar se a ptose está obstruindo ou não o eixo visual.  Em crianças, caso o eixo visual esteja obstruído, a cirurgia é de extrema importância para que se libere o eixo visual e a criança possa enxergar deste olho. Em adultos jovens e idosos a indicação pode ser pela parte funcional e/ou estética.


MEIBOMITE

A Glândula de Meibômio é  responsável pela produção da parte oleosa do filme lacrimal, que auxilia na lubrificação do olho. Essa secreção oleosa é expelida e misturada às lagrimas através de dutos. Meibomite é o nome dado à inflamação na Glândula de Meibômio. A meibomite causa vermelhidão ocular, presença de muco, ardência, olhos ressecados e inchaço. Também pode desenvolver calázio, caso persista.  O tratamento a base de compressas quentes muitas vezes ajuda a desobstruir os dutos entupidos, liberando assim a secreção sebácea acumulada. Em alguns casos são receitados antibióticos na forma de creme ou colírio.


ECTRÓPIO e ENTRÓPIO

Em uma pálpebra saudável, quando os olhos se fecham, mesmo que rapidamente como ao piscar, tanto a parte inferior como a superior se unem com firmeza, protegendo o olho, umidificando-o por completo e não permitindo que as lágrimas evaporem, desse modo mantendo-o lubrificado.  Doenças como ectrópio e entrópio levam a rotação  das pálpebras de modo a não permitir que as mesmas exerçam suas funções adequadamente,  deixando de proteger e lubrificar os olhos.

Entrópio é quando a pálpebra faz rotação para dentro, fazendo com que os cílios entrem em contato com o globo ocular, causando irritação e até mesmo pequenas lesões. Ectrópio é quando a pálpebra faz rotação para fora, fazendo com que sua borda deixe de entrar em contato com o globo ocular, prejudicando funcionalmente a lubrificação do olho e a estética pálpebral.  Tanto o ectrópio como o entrópio são diagnosticados e tratados pelo médico oftalmologista, sendo  o tratamento na maioria dos casos  cirúrgico.



TRIQUÍASE

Triquíase é uma condição clínica  em que os cílios se encontram voltados para dentro, de modo que tocam do globo ocular. Normalmente a triquíase é causada por entrópio, blefarite, queimaduras, entre outras patologias. O tratamento da triquíase é feito com a remoção mecânica ou cauterização dos cílios. Pomadas e colírios são  apenas meios paliativos que aliviam temporariamente os sintomas e devem ser usados por tempo limitado, até a realização do procedimento definitivo.


TUMORES PALPEBRAIS

Tumores ocorrem quando células saudáveis mudam e crescem descontroladamente, formando uma massa. Um tumor pode ser maligno ou benigno, embora os riscos à saúde sejam diferentes entre eles, na prática podem ser muito semelhantes e devem ser diagnosticados por um médico especialista. Tumor palpebral é o termo geral para um tumor presente na pálpebra inferior ou superior.

X